Sunday, December 21, 2008

Erlang II

Näo gosto muito de dar exemplos extremamente técnicos, como o artigo abaixo, mas acredito que é necessário mostrar um pouco da tipagem e do "feeling" de Erlang, depois do post anterior.

Erlang Shell:

Parece-nos um pouco de modismo atual, mas todas as linguagens de programação interpretadas tem um shell para testar os comandos, mas o fato é que esta pratica remonta de muitos anos, a exemplo do Erlang Shell:
$ erl
Erlang (BEAM) emulator version 5.6.3 [source] [smp:2] \
[async-threads:0] [kernel-poll:false]

Eshell V5.6.3 (abort with ^G)
1> 27*2.
54
2>
BREAK: (a)bort (c)ontinue (p)roc info (i)nfo (l)oaded
(v)ersion (k)ill (D)b-tables (d)istribution
a
Acima segue um exemplo bem simples de como este shell se parece, também um exemplo de uma operação matemática, veja que os padrões para este tipo de ação é equiparado a todas as outras linguagens, o único exemplo, de destaque de Erlang, é que todas as intruções terminam com um ponto (".").

Módulos e Funçoes:

Vamos começar com um exemplo para nos acostumarmos um pouco com a tipagem de Erlang, devo dizer que a primeira vista ela não é das mais fáceis, porem, ela privilegia a fluidez deste tipo de software, lembre-se de que será necessário um período de adaptação.

Abra um arquivo com nome de "teste.erl" (sim, a extensão é importante), e acrescente o seguinte conteúdo:
-module(teste).
-export([double/1]).
double(X) ->
2 * X.
Feito isso, vamos chama-lo dentro do Erlang Shell, atente que o shell deve ser chamado no mesmo diretório que você criou o arquivo acima:
$ erl
1> c(teste).
{ok,teste}
2> teste:double(27).
54
Após o comando "c(teste)." o interpretador faz a leitura dos fontes e o compila, gerando um executavel em RAM, logo em seguida ele já está pronto para ser utlizado, sabemos disso através do retorno "{ok,teste}".

Toda a declaracao de módulos em Erlang é feita com a instruçao "-module().", atenção ao detalhe de ser iniciado com "-" e sempre finalizado com ".". Neste exmplo o mais importante é a instrução "-export([double/1]).", esta deixa disponível o método "double" o qual espera um parametro, por isso a presença do "/1" na instrução. Sem o "export" o método "double" só estaria disponível dentro do módulo "teste".

Outro retorno dos comandos acima é a criação do "teste.beam", este é o resultado do código Erlang compilado há pouco:

$ file teste.beam
teste.beam: Erlang BEAM file

Bibliografia (Links):

Wikipedia (http://en.wikipedia.org/wiki/Erlang_(programming_language));
Erlang Getting Started (http://www.erlang.org/starting.html);

1 comment:

Luizxx said...

Mais um ótimo post do jovem!
Abraço!